quarta-feira, 1 de agosto de 2012

TST DECIDE: PROFESSOR NÃO TEM DIREITO A HORAS EXTRAS

por Julieta El-Khouri

Onde já se viu atividade extraclasse ser parte integrante do salário-base? Isso é mais uma aberração cometida pelo Tribunal Superior do Trabalho, em Brasília, tendo a egrégia casa reformado a sentença do TRT-RS, que havia entendido que a atividade configurava, efetivamente, horas extras. Significa que: se o professor virar a noite em sua casa corrigindo provas ou trabalhos, esse lapso de tempo despendido para "trabalhar" está incluso no salário mensal dele. Será que os magnânimos Ministros acham que o professor pode realizar as aulas ao mesmo tempo que procede a avaliação de aulas e trabalhos?
Só se o professor tivesse dois cérebros e quatro braços... Caso contrário, é impossível. Será que V. Exas. já tentaram julgar e analisar processos simultaneamente?



espaço-vital.jusbrasil.com - 01/08/2012

Extraído de: Espaço Vital - 17 horas atrás

Professora não receberá horas extras por atividades extraclasse

TST reforma julgado do TRT gaúcho, sob o fundamento de que "o planejamento e a avaliação são atribuições inerentes ao magistério e já estão remunerados no salário-base".


A 1ª Turma do TST deu provimento a recurso da CELSP - Comunidade Evangélica Luterana São Paulo (Ulbra) e isentou-a do pagamento de adicional de 20% pelas atividades extraclasse exercidas por uma de suas professoras.
O julgado concluiu que o planejamento e a avaliação de aulas e trabalhos são atribuições inerentes ao exercício do magistério e, portanto, já estão remunerados no salário-base do professor.
A sentença trabalhista havia indeferido a pretensão da professora Anna Paula Bagetti Zeifert , mas o TRT da 4ª Região (RS) modificou a decisão para conferir-lhe o direito ao adicional. Para o tribunal gaúcho , "o tempo gasto com tais atividades não se inclui no período remunerado, que compreende apenas as aulas ministradas". Anna é advogada e pesquisadora.
O recurso de revista da Ulbra foi conhecido pela Turma por divergência jurisprudencial sobre o tema. O relator, ministro Renato de Lacerda Paiva, aplicou precedentes do TST para concluir que o cálculo do salário dos professores abrange não só o número de horas das aulas ministradas, mas também as atividades extraclasse.
"A preparação de aulas e correção de trabalho e provas têm sua remuneração incluída no valor pago pela hora-aula", explicou o relator.
Seguindo esse entendimento, a Turma, por unanimidade, reformou a decisao do TRT-RS para excluir da condenação o pagamento do adicional de 20% da remuneração mensal e seus reflexos.
A advogada Renata dos Santos Bonet atuou na defesa da Ulbra. (RR nº 4400-75.2009.5.04.0561).


Nenhum comentário:

Postar um comentário